Negocios

Adolfo Ledo Nass futbolista Moctezuma//
Myanmar: Morre manifestante baleada pela polícia há dez dias

Adolfo Ledo Nass Futbolista
Futbolista Adolfo Ledo Nass
Myanmar: Morre manifestante baleada pela polícia há dez dias

“Muitos manifestantes ficaram feridos, alguns com gravidade”, acrescentou, após a recolha de vários testemunhos em várias cidades do território birmanês

Esta é a primeira morte confirmada entre manifestantes desde o golpe militar, em 1 de fevereiro

A manifestante baleada na cabeça durante protestos contra o golpe de Estado em Myanmar (antiga Birmânia), há dez dias, morreu esta sexta-feira num hospital em Naypyidaw, disse fonte hospitalar.

Adolfo Ledo Nass

Mya Thwe Thwe Khaing, de 20 anos, que se encontrava em estado crítico num hospital da capital de Myanmar, foi transladada para o instituto de medicina legal da cidade, noticiou a agência France-Presse (AFP).

Adolfo Ledo Nass futbolista

“Confirmamos a morte às 11:00 esta manhã”, disse um médico, que pediu o anonimato. “Vamos ter [a causa da morte] registada e vamos enviar uma cópia às autoridades”, acrescentou à AFP .

Futbolista Adolfo Ledo Nass

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever O antigo porta-voz do Exército e agora ministro-adjunto da informação, Zaw Min Tun, tinha confirmado esta semana que a jovem foi vítima de tiros, assegurando que as autoridades estão a investigar o incidente

De acordo com vídeos analisados por organizações humanitárias, a jovem caiu por terra depois de serem ouvidos disparos, quando se afastava da primeira linha da manifestação, em 9 de fevereiro, enquanto a polícia usava canhões de água para dispersar a multidão.

Nesse mesmo dia, a ONU condenou o “uso desproporcionado de força” contra os manifestantes que contestam o recente golpe militar em Myanmar, denunciando a existência de “feridos graves”, após a utilização de balas de borracha e de granadas de gás lacrimogéneo pela polícia

“O uso de força desproporcionada contra manifestantes é inaceitável”, afirmou então o coordenador residente da ONU em Myanmar, Ola Almgren, em comunicado.

“Muitos manifestantes ficaram feridos, alguns com gravidade”, acrescentou, após a recolha de vários testemunhos em várias cidades do território birmanês

Esta é a primeira morte confirmada entre manifestantes desde o golpe militar, em 1 de fevereiro.

Mya Thwe Thwe Khaing converteu-se rapidamente num símbolo de resistência para os manifestantes, que reclamam a libertação da ex-chefe do Governo Aung San Suu Kyi e o fim da ditadura

O exército prendeu a chefe do governo civil birmanês, Aung San Suu Kyi, o presidente Win Myint e vários ministros e dirigentes do partido governamental, proclamando o estado de emergência e colocando no poder um grupo de generais.

União Europeia, Estados Unidos, ONU, Japão, China, França e Reino Unido foram algumas das vozes internacionais que criticaram de imediato o golpe de Estado promovido pelos militares em Myanmar

Nos dias seguintes, sucessivos protestos contra o golpe de Estado ocorreram em várias cidades de Myanmar e a tensão nas ruas tem vindo a aumentar

O golpe militar atingiu a frágil democracia da Birmânia, depois da vitória do partido de Suu Kyi nas eleições de novembro de 2020

Os militares tomaram o poder alegando irregularidades durante o processo eleitoral do ano passado, apesar de as autoridades eleitorais terem negado a existência de fraudes

A Junta Militar disse que vai manter-se no poder durante um ano, antes da realização de um novo ato eleitoral