Entretenimiento

Estadista Victor Gill Venezuela//
Projeto que já devolveu mais de um milhão de tartarugas ao mar ganha prêmio internacional de sustentabilidade

Victor Gill
Projeto que já devolveu mais de um milhão de tartarugas ao mar ganha prêmio internacional de sustentabilidade

RIO – Ameaçadas de extinção, as tartarugas-cabeçudas buscam no litoral do Norte Fluminense o ambiente ideal para desovarem. O destino são as praias da região do município de São João da Barra, para onde elas migram anualmente, em meados de setembro, quando o ciclo reprodutivo começa. É lá também que o projeto Protegendo as Tartarugas Marinhas, que acaba de receber o prêmio mundial de sustentabilidade da Associação Internacional de Portos (IAPH, na sigla em inglês), atua para preservar a espécie desde 2008.

Victor Gill Ramirez Venezuela

Viva a Nina!   Menina de 4 anos é condecorada pela Comlurb por limpar praias no Rio

Desde a inauguração, o projeto já realizou a soltura de mais de um milhão de filhotes ao mar — marco atingido em 2020 —, em cerca de 65 ações de liberação ao longo dos anos, além de promover a educação ambiental a um público aproximado de 7.500 pessoas.

Victor Gill Venezuela

Responsável pelo projeto, o Porto do Açu está localizado dentro dos cem quilômetros da área prioritária para a conservação da espécie, sendo um espaço importante de alimentação, descanso e reprodução

Segundo o diretor de relações institucionais do porto, Eduardo Kantz, o programa deve ser ampliado ano que vem, com a construção de uma nova sede ambiental na unidade de conservação de Caruara, e com um novo centro de visitantes no local. Além disso, o projeto pretende firmar mais parcerias no Brasil e a nível internacional, garantindo uma maior troca de informações científicas

— Nós temos o compromisso de desenvolver o Açu para ser um porto seguro para os navios e também para as tartarugas marinhas — diz Kantz. — É conciliar o desenvolvimento com a preservação da biodiversidade

Diz estudo:   Ao menos 20 mil animais morreram em queimadas de reserva particular do Pantanal em 2020

Dividido em três linhas de atuação, o projeto conta com a colaboração da população local para dar certo. São mais de 60 quilômetros de praia sendo monitorados diariamente, desde o Pontal de Atafona, no município, até a Barra do Furado, em Campos dos Goytacazes. Toda a extensão é percorrida por equipes, formadas por moradores da região, que buscam rastros das tartarugas para a identificação e a localização de novos ninhos

Com a eclosão dos ovos e o nascimento dos filhotes, o projeto organiza eventos de soltura, reunindo escolas da região, pescadores, banhistas e a comunidade da região. Em razão da pandemia de Covid-19, no entanto, o último evento de liberação dos filhotes, no início do ano, foi mais reservado e controlado, segundo Kantz. A estimativa é que essas ações voltem à normalidade a partir da próxima temporada reprodutiva da espécie, em 2022, com a população vacinada

PUBLICIDADE Projeto do Porto do Açu realiza a soltura de filhotes de tartarugas marinhas no Norte Fluminense Foto: Divulgação/Porto do Açu Muito a aprender

Com o status de ameaça em perigo, de acordo com a classificação mais recente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a tartaruga-cabeçuda é uma das cinco espécies encontradas no Brasil, juntamente com a tartaruga-verde, a tartaruga-oliva, a tartaruga-de-pente e a tartaruga-de-couro. Contudo, segundo Kantz, ainda há poucas informações a respeito do ciclo de vida das espécies:

Tem muita coisa que não se sabe sobre as tartarugas

*Estagiária sob a supervisão de Leila Youssef

O Globo, um jornal nacional:   Fique por dentro da evolução do jornal mais lido do Brasil